Inteligência emocional: 3 dicas para gestores de empresas em crescimento

Durante muito tempo, as empresas, os líderes e os gestores acreditaram que as habilidades intelectuais e técnicas de alguém eram suficientes para determinar e quão boa, o quão prepara uma pessoa era para executar uma determinada função.

Isso deixou de ser verdade a partir do momento onde o QE (ou coeficiente emocional) entrou em cena, e o QE está ligado com a inteligência emocional.

Por sua vez, inteligência emocional tem a ver com saber ler, interpretar e responder às emoções, tanto suas próprias quanto de sua equipe.

A maneira como você percebe, controla e compartilha suas emoções vai ser decisiva em direcionar (em alguns casos até determinar) a maneira como as outras pessoas se comportam.

Quanto maior sua inteligência emocional, maior será sua capacidade de articulação, resolução de conflitos, influência e persuasão.

Ao longo deste artigo, você irá descobrir as principais aplicações da inteligência emocional para gestores de empresas e como você pode desenvolver e aprimorar a sua inteligência emocional para conquistar maiores resultados.

Porque você precisa desenvolver sua inteligência emocional

Durante muito tempo eu não dei a devida importância para o desenvolvimento da minha inteligência emocional.

Eu acredita que tinha uma excelente inteligência emocional, acredita que isso não era um problema.

Foi aí que algumas coisas começaram a dar errado, muito errado. Eu estava passando pelo meu “year to hell”.

E nesse momento eu percebi que se eu quisesse atravessar essa pedreira, eu precisaria melhorar minha inteligência emocional.

Eu não sei exatamente em que fase do seu negócio você está, mas eu sei que aquilo que te trouxe até aqui não vai ser o que vai te levar para o próximo passo.

Como gestor, desenvolver sua inteligência emocional fará toda a diferença na hora de vestir a camisa da empresa e trabalhar para plantar e colher os resultados.

Os principais atributos da inteligência emocional para gestores

Autoconhecimento

O autoconhecimento consiste em sua capacidade de compreender suas próprias emoções

Com certeza você já viu algo assim:

Um homem chega em casa, e sem nenhum motivo aparente, fala de forma rude e grosseira com sua família, pedindo para que façam silêncio enquanto ele vê o jornal.

Normalmente essa pessoa não percebe o que está sendo grosseira, a não ser que alguém aponte para ela.

Um outro exemplo é um líder que trata mal algum membro da equipe por conta de problemas pessoais, que deixa a tensão de um prazo apertado ou de uma meta não batida, refletir em um stress que perdura por um dia, semana ou mês inteiro, e sequer tem consciência disso.

Essas são pessoas que não conhecem suas próprias emoções.

Reconhecer nossas emoções é o primeiro passo para poder se controlar, por outro lado, nossa incapacidade de conhecer nossos verdadeiros sentimentos é algo que nos deixa a mercê deles.

Conhecer as próprias emoções é a base para assumir o controle dos resultados que você obtém.

Autocontrole

Reconhecer as próprias emoções é um bom começo, mas de nada adianta se você não consegue controlá-las.

É como o líder que sabe que trata mal sua equipe, mas continua fazendo isso, mesmo sabendo que é contraprodutivo para seus objetivos.

Saber lidar com as próprias emoções e sentimentos é conseguir se recuperar mais rapidamente de perturbações e problemas que nos tiram o foco, e ter resiliência para se manter consistente diante dos altos e baixos da caminhada empreendedora.

Porém, eu não estou dizendo aqui que emoções são ruins, ou que você deve suprimi-las, mas sim buscar o equilíbrio das suas emoções.

Motivação

Motivar-se é colocar todas as emoções a serviço de uma meta.

E isso é fundamental para que você tenha foco, autocontrole e criatividade para desenvolver seus projetos.

O autocontrole emocional é extremamente necessário para que você possa conter a impulsividade e desenvolver a paciência, pois os resultados nem sempre (ou quase nunca) virão da noite para o dia.

Nós temos uma tendência a imaginar nosso crescimento ou o crescimento da nossa empresa da seguinte forma:

 

Na prática, o que acontece é algo mais parecido com isso:

A ansiedade, stress, falta de confiança e demais emoções negativas, se não controladas, serão grandes limitadoras.

E a lição que fica é:

A inteligência emocional é fundamental para o sucesso em todas as áreas da vida. E na gestão de empresas não é diferente.

Sem inteligência emocional, é bastante provável que você fique pelo caminho durante sua jornada “empreendedora”.

Conhecer suas próprias emoções, aprender a controlá-las e manter-se motivado são 3 passos fundamentais para que você possa se desenvolver como gestor, como líder e como pessoa.

Livro: Como fazer sua empresa crescer